Arquivo da tag: Danilo Gentili

Clima Pesado

Elephants_Kenya_01

Que as redes sociais e a internet, de uma forma geral, serviram para aproximar as pessoas, inclusive celebridades e anônimos, não resta a menor dúvida. O problema, porém, surge quando os famosos esquecem da repercussão que suas palavras têm e emitem opiniões que podem ser consideradas ofensivas ou preconceituosas, ainda que algumas vezes involuntariamente.

Na semana passada a atriz Thaila Ayala (repita cinco vezes sem gaguejar) postou no Twitter (@Thailaayala) um comentário que pode ser considerado, no mínimo, de mau gosto. Referindo-se ao lugar da sua poltrona no avião, afirmou que era muito ruim sentar na primeira fila “porque todo mundo fica te olhando como se fosse paraplégico”.

Depois de receber uma enxurrada de críticas, a atriz tentou se justificar (ainda que de forma bastante agressiva) e apagou o post imediatamente. Mas não rápido o suficiente para superar o botão “print screen”.

TA

Situação parecida aconteceu com Danilo Gentili (@danilogentili), do programa CQC, que em seu Twitter disse:

"King Kong, um macaco que, depois que vai para a cidade e fica famoso, pega uma loira. Quem ele acha que é? Jogador de futebol?"

Carente de um conselho de avó que trata de “emendas” e “sonetos”, sua situação piorou quando tentou se justificar sobre o comentário:

"Alguém pode me dar uma explicação razoável por que posso chamar gay de veado, gordo de baleia, branco de lagartixa, mas nunca um negro de macaco?" .

Possivelmente alguém já o avisou que não! Não se pode chamar as pessoas dessa forma.

O que ocorre é que, nessas interações, pessoas conhecidas publicamente acabam expressando pensamentos que na verdade não o fariam por outros meios. Expõem até mesmo defeitos que são perceptíveis somente através da convivência.

O Twitter, por exemplo, dá uma falsa idéia de privacidade, pois, ao se divulgar um comentário, fica fácil de se esquecer que dezenas de milhares de seguidores (em alguns casos centenas) receberão a mensagem e terão uma opinião sobre o que foi dito, podendo repassá-la.

No caso de Thaila, a declaração foi mais fruto de ingenuidade do que preconceito, propriamente dito. Provavelmente quis dizer que não gostava de chamar a atenção por ter um lugar especial à bordo. Porém, não se pode esquecer que pessoas consideradas “públicas” devem estar mais atentas ao que dizem. De qualquer forma, sua eventual reincidência poderá passar despercebida, pelo menos por mim: a moça já ganhou meu “unfollow”.

Já no caso de Danilo Gentili, provavelmente nem seu advogado terá uma explicação plausível para o que declarou, principalmente com relação à sua segunda declaração.

Contudo, o caminho inverso é igualmente possível.

O fato mais recente – e comentado – é a indenização que o Google foi condenado a pagar a Rubens Barrichello (com recurso já interposto) pelas comunidades que, formadas por usuários do Orkut, depreciavam seu nome.

Mas esse é um assunto que merece ser tratado separadamente nos próximos posts, com uma leve dose de “juridiquês”.

Não me xingue.

POR ANDRÉ MORAES (WWW.TWITTER.COM/AAFMORAES)

 

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Sem categoria