Arquivo da tag: a rede social mais influente

Por que o Twitter é a rede social que mais influenciou o mundo das redes sociais?

file4761237981423 O Facebook é atualmente a maior rede social. Não somente pela quantidade de perfis, mas também de acessos. Porém, em matéria de inovação, nenhuma rede social foi mais importante que o Twitter.

Para comprovar, seguem alguns aspectos que demonstram os motivos pelos quais as redes sociais, na forma como conhecemos hoje, devem muito mais ao Twitter do que a qualquer outro site de relacionamentos:

.

Feed de Notícias e Timeline 

A ideia de acompanhar na página principal postagens de todos os contatos pode não ter surgido com o Twitter, mas, certamente, popularizou-se com ele. Se hoje os usuários de outras redes sociais compartilham ideias, reclamações, piadas, poesias e notícias com todos os seus contatos através de sua própria página inicial (no campo “O Que Está Acontecendo?” ou “Como Vai?” no caso do Facebook) e tudo pode ser acompanhado também em um só lugar, foi graças ao Twitter e sua famosa “timeline”. E justiça seja feita: o Facebook ficou bem mais interessante depois que implementou o recurso.

Filtros em fotos

O Instagram é propriedade do Facebook. Beleza. Mas, originalmente, a rede social que mais contribuiu com sua divulgação foi o Twitter. Hoje, são inúmeros os programas que conferem efeitos envelhecidos nas imagens por meio de filtros. O próprio Twitter possui hoje um sistema parecido, depois que sua tentativa de compra do Instagram subiu no telhado.A capa da Newsweek e sua hashtag.

Hashtags 

Talvez essa seja a inovação mais impactante do Twitter. Não tanto pela utilidade do recurso, mas principalmente por ter provocado uma mudança no modo de divulgar ideias e mensagens ainda que fora da internet.

O Twitter criou uma forma de os usuários destacarem o assunto do que está sendo comentado por meio de uma “hashtag”, representada pelo símbolo “#”. Com isso, a “hashtag” é transformada pelo sistema em um “link” para uma página de resultados relacionados ao assunto. Esse recurso, além do Twitter, funciona apenas no Instagram. A prática acabou levando os usuários a desenvolver uma forma de escrita em que todo o sentido do texto concentrava-se nas “hashtags”, independentemente da intenção do leitor de fazer buscas sobre o assunto.

A mania ultrapassou os limites do microblog, servindo como estilo de escrita em outras redes sociais e até em matérias publicitárias, cartazes de protesto e textos jornalísticos. Até quem não é usuário do Twitter já se deparou com expressões como “#prontofalei” ou “#eujasabia” mesmo fora das telas do computador.

Em uma capa famosa (acima), a revista Newsweek divulgou uma hashtag para informar sobre o seu último número impresso.

Menção a outros usuários 

Mencionar outro usuário da rede social em uma postagem ou comentário já é prática corriqueira. Porém, a popularização aconteceu no Twitter com a utilização do símbolo “@” seguido do nome de usuário de quem se pretende mencionar. Este, por sua vez, tomava conhecimento de que a postagem refere-se a ela dentro da guia “mentions”. Originalmente, citar alguém dava trabalho, pois era necessário copiar ou lembrar o nome de usuário, digitando-se corretamente.

Hoje, o sistema apresenta uma lista com sugestões, bastando que se clique na opção escolhida. Quanto a isso, mérito do Facebook. Mas a função original ainda é crédito do Twitter.

Compactação de links 

Como no Twitter somente é possível postar mensagens com até 140 caracteres, e tendo os hyperlinks costumeiramente bem mais que isso, os compactadores se popularizaram e os internautas descobriram sua praticidade. Links compactados passaram a aparecer até em matérias de revistas impressas e grandes empresas como o Google também criaram os seus compactadores.

Atualmente, até mesmo nas redes sociais sem limite de caracteres ou em mensagens de e-mails os compactadores são utilizados, dando um estilo muito mais enxuto e agradável ao texto. Sem falar na facilidade de se digitar um endereço na internet.

Checkins

Tudo bem, não havia “checkins” no Twitter quando foi criado. Mas aplicativos como o Foursquare devem muito ao compartilhamento no Twitter para sua popularização. Eram, aliás, vistos com ressalvas pela questão da segurança. A maioria das redes sociais agora têm a possibilidade de se fazer “checkins” através de sistemas próprios, ainda que o Foursquare continue firme e forte.

Botão Seguir

O Facebook bem que tentou dar um nome diferente ao recurso, batizando-o de “assinatura”, mas não funcionou. Tornou-se “seguir” mesmo, que é o nome usado no Twitter para se acompanhar as publicações mesmo de pessoas que não são amigas ou conhecidas. Foi criado justamente para que o usuário não dependesse de confirmações de amizade para poder acompanhar as publicações, como acontece em uma outra rede social. Adivinhe qual é.

.

.

E engana-se quem acredita que os dias de glória do Twitter estão no passado. Estudo da empresa Global Web Index mostra que o Twitter foi a rede social que mais cresceu em 2012 (leia a matéria da Revista INFO aqui). Além disso, um levantamento da Burson-Marsteller aponta que as grandes empresas têm preferido o Twitter para criação de seus perfis (leia outra matéria da Revista INFO aqui) ultrapassando inclusive o Facebook.

Mas os números do Twitter ficam para outra oportunidade. O que nos resta é desejar vida longa ao microblog.

POR ANDRÉ MORAES (WWW.TWITTER.COM/AAFMORAES)

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em twitter